quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Lorde

Uma das cantoras mais faladas hoje em dia é a Lorde. Algumas pessoas não sabem quem ela é, mas eu acho bem difícil nunca ter escutado a música Royals.


Seu nome é Ella Maria Lani Yelich-O'Connor2, nasceu em 7 de novembro de 1996. É uma cantora e compositora neozelandesa. Ela foi eleita a jovem mais influente do mundo pela revista estadunidense Time e nomeada "Mulher do Ano" pela MTV, em 2013. Tornou-se conhecida a partir do single "Royals", que lhe rendeu o título de a mais jovem artista a conquistar o primeiro lugar da Billboard Hot 100, dos Estados Unidos, e venceu o Grammy Awards de "Canção do Ano", em 2014.


Filha de Vic O'Connor, um engenheiro civil, e Sonja Yelich, uma poeta, ela foi criada no subúrbio de Devonport, Auckland ao lado de mais três irmãos, sendo um casal de irmãos mais novos e uma irmã mais velha. Ela tem ascendência croata e irlandesa.
Em 2009, com doze anos de idade, participou de um concurso de talentos promovido pela escola dela, localizada na cidade de Auckland. Interpretando a canção "Warwick Avenue", da britânica Duffy, Lorde teve a sua apresentação gravada por um pai de um amigo. A gravação acabou por parar nas mãos de Scott Maclachlan, um agente que ficou impressionado com o talento dela. Em seguida, Maclachlan entrou em contato com Ella e com os pais dela, falando sobre o futuro que a jovem poderia ter como artista. Ele acabou por se tornar no empresário da cantora, conseguindo para ela um contrato com a filial da Universal Music na Nova Zelândia.


Mais tarde, Yelich-O'connor adotou como nome artístico "Lorde", que foi inspirado na fascinação que ela tinha pela aristocracia e pela realeza. No início, chegou a ter em mente "Duke" ('duque' em português), mas rapidamente descartou por achar a expressão muito masculina. Em seguida, ela escolheu a palavra "Lord" ('senhor' em português), que é um título de nobreza do Reino Unido. Mas como todos os lordes britânicos são homens, a artista decidiu pegar a palavra no inglês e acrescentar a letra 'E' no final, de modo que seu nome fictício ficasse mais feminino, e também porque, para ela, soou e pareceu mais legal. Embora a expressão 'Lord' também seja vista como "senhor", Ella diz que seu nome artístico não possui nada de religioso, e que é apenas uma personagem que ela "pode ligar ou desligar quando está no palco". A admiração da jovem pela realeza influenciou ainda a composição de "Royals", o single de estreia de sua carreira.


Lorde compõe todas as suas músicas. Até os treze anos, ela escrevia contos, mas com o passar do tempo, a artista passou a se dedicar a criar canções. No início, de forma despretensiosa, mas com o passar do tempo, ela foi se aperfeiçoando durante a criação de suas composições. A primeira música que ela escreveu chamava-se "Dope Ghost" e foi inspirada no tema "Kids" de Larry Clark. Para o The Love Club e Pure Heroine, ela contou com o auxílio de Joel Little, que produziu todas as faixas dos dois discos. De acordo com a cantora, a parceria dela com Little só deu certo porque ele não é o tipo de produtor "que gosta de colocar grandes assinaturas em suas músicas".


É muito criticada por dar sua opinião, por pior que seja. A cantora já criticou artistas como Taylor Swift (mas agora elas são melhores amigas), Selena Gomez e Justin Bieber. Lançou seu mais recente álbum, Pure Heroine, em 2013, rendendo muitos prêmios.



Lorde virá ao Brasil este ano, para se apresentar no Lollapalooza! Os ingressos esgotaram, mas tem pessoas vendendo e promoções (que você tem 0,01% de ganhar, porque esses negócios não prestam). Para terminar bem a postagem, vejam Tennis Court:

Nenhum comentário:

Postar um comentário